Vila Verde no coração…

Sabia que…

A empresa contratada pela Câmara Municipal de Vila Verde para recolha de lixo tem como presidente do Conselho de Administração um ex-membro do Conselho Nacional do PSD?

Essa empresa vai receber 4.950.000€+IVA (quatro milhões novecentos e cinquenta mil euros) pela recolha do lixo no Concelho de Vila Verde.

É tudo coincidência e legal.
Aliás, este é mais um exemplo da excelente gestão de 17 anos de PSD na Câmara de Vila Verde.

1

2

Partilhe, Goste, Apoie e Contribua – www.apela.pt

apelaapela2

O Vilaverdense – 29/08/2014

CDS-PP de Vila Verde reage à polémica sobre a recolha de lixo

paulomarques

O CDS-PP de Vila Verde emitiu um comunicado onde manifesta a sua «tristeza» sobre os últimos acontecimentos relacionados com a recolha do lixo. «Lixo por recolher, falta de higiene, queixas e mais queixas. Não é novidade para ninguém que o CDS sempre foi contra este tipo de “negócios” em Vila Verde, e mais do que uma vez ao longo dos anos apontamos os resultados/custos para as populações desta “moda” de vender serviços essenciais. Quem tomou as decisões, há-de viver moralmente como elas, mas não haja enganos, quem pagará o custo será o povo, seremos/somos todos nós.

Para o líder do CDS-PP, Paulo Marques, «este negócio está envolto em dúvidas, legais, morais e de viabilidade efectiva, que devem ser esclarecidas em sede própria. O CDS.PP irá interpelar o executivo camarário para uma maior clarificação deste processo, bem como, e uma vez mais, para a análise de viabilidade do cancelamento deste negócio do lixo com privados. Lembramos que em Novembro 2011 o CDS tinha proposto, sem resultado algum, que a recolha de resíduos sólidos passasse pelo estudo de outras soluções, avançando até com a proposta de “Ilhas Ecológicas” por forma a fazer face às exigências com menores custos. Já em Fevereiro de 2013, em reunião de executivo camarário, o voto do CDS foi contra este concurso público, porque entendíamos que se tratava de um negócio para favorecer privados e, sendo um tema controverso, mereceria maior ponderação e menos pressa. Em Junho de 2013 propusemos ainda que o concurso público fosse anulado. Nada. O “negócio” estava feito. O resultado era infelizmente previsto, mais tarde ou mais cedo, lá viriam os problemas e a degradação do serviço às populações. Quem perde? Sempre os mesmos. Quem ganha?»

Por isso, Paulo Marques diz que é «bom tirar daqui ilações. Primeiro, é preciso compreender, de uma vez, que o privado não presta serviço público, entra para ganhar dinheiro. Não haja engano sobre isto. Depois, e como temos referido insistentemente, é preciso “meter a mão na massa”, é preciso que as pessoas se informem convenientemente para poderem intervir nas escolhas que irão afectar as suas vidas e a das suas famílias. É preciso agir em vez de apenas reagir, com uma população informada e interveniente teremos certamente uma melhor democracia. E por ai há-de vir, mais dia, menos dia, mais ano, menos ano, a questão do saneamento e da água pública. Fica mais uma vez a pergunta: Se dá dinheiro e é bom para o privado, porque é que é mau e é um grande custo para os municípios?»

OVilaverdense

O Vilaverdense – 26/08/2014

Vereadores do PS desafiados para banho público pela esclerose amiotrófica lateral

Os vereadores do PS, Luís Filipe Silve e José Morais, foram desafiados pelo Presidente da Junta de Dossãos, Jorge Oliveira, e pelo cidadão de Cervães Horácio Ferreira para o banho público. Uma campanha mundial de apoio à doença da Esclerose Amiotrófica Lateral. À chuva, diante do quartel dos bombeiros, os dois vereadores já responderam ao desafio… e desafiaram todos os vilaverdenses.

OVilaverdense

Jornal Online da Região Braga – urbietorbi

banhos

CARTA ABERTA

10632652_850906488255162_7839980587986341633_n

Os Srs. Vereadores do Partido Socialista enviaram uma carta aberta ao Sr. Presidente de Câmara Municipal de Vila Verde. Na carta que tivemos acesso e se encontra publicada abaixo, mostram disponibilidade para a realização de um trabalho em conjunto desde que «o objetivo da gestão autárquica seja recentrado no que é essencial, ou seja, na constante melhoria das condições de vida dos Vilaverdenses».

Os Vereadores da Oposição afirmam que se António Vilela «parar para pensar, com serenidade, sem outros interesses senão os do concelho e da sua vida coletiva, dará um passo em frente e aceitará este renovado convite para um verdadeiro e profícuo trabalho em conjunto, abandonando definitivamente a postura que tem tido quando se refere aos Vereadores do Partido Socialista.»

 
“Ex.mo Senhor
Presidente da Câmara de Vila Verde
Dr. António Vilela

Nas Eleições Autárquicas de 29 de Setembro de 2013, os Vilaverdenses pronunciaram-se e elegeram para a Câmara Municipal sete concidadãos que se candidataram nas listas do Partido Social Democrata e do Partido Socialista, confiando neles os destinos da gestão autárquica do município de Vila Verde.
Ditam as regras do nosso sistema democrático, que o Presidente de Câmara emerge da lista candidata com mais votos, ainda que seja por um único voto.
Como bem se deve recordar, a candidatura por si encabeçada obteve um pouco mais que 2% sobre a candidatura do Partido Socialista, encabeçada pelo Luís Filipe Silva, candidatura essa que eu integrei convictamente para trabalhar, em qualquer circunstância, pelos interesses coletivos do nosso concelho.
Decorre daqui que eu sou Vereador tendo-o como Presidente de Câmara, tal como os restantes cinco elementos que completam o órgão executivo do nosso município, circunstância que em nada esmorece o compromisso que assumi com todos os Vilaverdenses.
Bem pelo contrário. Posso garantir-lhe que estou, como nunca, motivado para trabalhar pelos interesses coletivos da nossa terra. Estou eu e estão todos os eleitos da candidatura que integrei, seja na Câmara Municipal, seja na Assembleia Municipal, seja nas Assembleias de Freguesia.
Acontece, porém, que a gestão autárquica por si liderada, infelizmente, não tem sido capaz de ir ao encontro das reais necessidades do concelho, das expectativas e anseios dos Vilaverdenses. Digo isto com toda a frontalidade, sem qualquer intenção de ofender, muito preocupado e, sobretudo, empenhado em alterar o atual estado das coisas.
É por essa razão que lhe escrevo esta carta, dando conhecimento da mesma a todos os Vilaverdenses.
É tempo de o Sr. Presidente se concentrar no que realmente tem interesse para o concelho.
Está na altura de o Sr. Presidente começar a trabalhar pelas pessoas do nosso concelho, atraindo empresas, criando postos de trabalho, gerando riqueza nas nossas freguesias, criando condições para que os jovens não emigrem, para que os nossos lugares não fiquem desertos. Está na altura de ajudar as famílias com dificuldades, com muitos filhos em idade escolar e com poucos rendimentos. Está na altura de o Sr. Presidente se colocar ao lado dos pequenos comerciantes, dos pequenos agricultores de Vila Verde.
Existem divergências políticas insanáveis entre nós. Há caminhos e decisões em que nunca será acompanhado pelos eleitos do Partido Socialista. Falo-lhe da decisão que tomou relativamente ao estacionamento pago, à venda de 51% da Escola Profissional ou ao contrato de recolha de resíduos sólidos domésticos, por exemplo. Poderia falar, ainda, da forma como desperdiçou dinheiro na Proviver ou no facto de não transferir os recursos financeiros necessários para as Juntas de Freguesia.
Não obstante tudo isto, continuo a esforçar-me por acreditar que todos estamos disponíveis e com vontade para trabalhar por Vila Verde e por todos os Vilaverdenses.
Nesse sentido, em meu nome e em nome de todos os eleitos do Partido Socialista, cabe-me a tarefa de renovar o convite para que o Sr. Presidente saiba aproveitar os contributos dos Vereadores do PS, ouvindo atentamente as propostas, as recomendações, aceitando os pedidos de esclarecimento e demais pedidos de informação, como uma simples forma de contribuir para a credibilização da gestão autárquica, como uma forma de tornar a gestão pública mais transparente, mais entendível para todos os Vilaverdenses.
Nós, eleitos do PS, estamos, como sempre estivemos, completamente disponíveis para esse trabalho em conjunto, desde que o objetivo da gestão autárquica seja recentrado no que é essencial, ou seja, na constante melhoria das condições de vida dos Vilaverdenses.
É no desenvolvimento do concelho e no aumento dos padrões de vida de cada um dos habitantes de Vila Verde que sempre estaremos concentrados.
Essa foi sempre a única razão de ser do projecto autárquico liderado pelo Luís Filipe Silva, projeto esse que me fez entrar nos desafios autárquicos, que continuará a recolher total confiança dos eleitos do Partido Socialista e que faz milhares de Vilaverdenses acreditar num concelho melhor.
Temos a certeza que se parar para pensar, com serenidade, sem outros interesses senão os do concelho e da sua vida coletiva, dará um passo em frente e aceitará este renovado convite para um verdadeiro e profícuo trabalho em conjunto, abandonando definitivamente a postura que tem tido quando se refere aos Vereadores do Partido Socialista.
Fazemos votos para que assim seja.

Com os meus melhores cumprimentos,

Pela Vereação do Partido Socialista
José Morais”